20 de dez de 2015

Timothy Leary: o político do êxtase - Parte 2

Timothy Leary Política do Extase
A política do êxtase é uma política do direito à liberdade interna, do direito de explorar e conhecer as potencialidades do próprio cérebro, de programar a própria mente e fugir do temido controle de manada, mas ao mesmo tempo encerra o risco de alienação individual.

A política do êxtase é a política do direito ao prazer absoluto, do direito de não sofrer ou de se recusar a sofrer, do direito à ampliação da consciência. Uma política que leva a realização final de que tudo está interligado. A globalização da mente. Uma proposta de vivência da realidade que é coletiva e individual em conjunto ainda com o virtual (aquilo que desejo), bem similar ao que temos hoje com a internet.

Timothy Leary chama o direito à liberdade interna de 5º Liberdade, termo que vem em adição às quatro liberdades proferidas em um discurso de Franklin Delano Roosevelt, uma ode à democracia e ao princípio fundante da independência dos EUA, de  apoio às liberdades individuais, à liberdade de expressão, que os tornou conhecidos como a "Land of Free."

 A política do êxtase pressupõe constante mudança, pretende se configurar em uma organização que se baseia nas forças orgânicas do Universo ao invés de se pautar somente pela racionalidade. 

A objetividade, racionalidade, especialização e a ciência tradicional eram vistos com desconfiança pela contracultura da década de 1960, e o rechaço desses valores é expresso também por Timothy Leary.  

A ciência para ele era fundamental, porém a visão científica em questão não é a mesma da sociedade tecnocrata, de racionalização exacerbada e desvinculada de aspectos humanistas, como é mostrado por Theodore Roszak em A Contracultura, publicado em 1969.

As concepções então valorizadas, não só por Leary como por todo o movimento que eclodia, eram a não-linearidade, a intuição e a mente não intelectiva ou irracional, a união de opostos ou visão despolarizada, que parte de uma concepção cósmica e não especializada (fragmentada) do todo, aquilo que se costuma chamar de visão holística.

Então, para que exista a liberdade interna é preciso que também exista uma espécie de flexibilidade social, que seria resultado do processo orgânico no qual se pretende que a sociedade esteja configurada. Leary explica que é necessário que haja estabilidade e expansão. A liberdade interna é uma força expansiva, pois questiona os limites coletivos, paradigmáticos. 

A liberdade interna está relacionada com a experiência direta, que prescinde (ou busca prescindir) de intermediários, um evento muitas vezes espontâneo. A liberdade interna também está relacionada com a liberdade individual.

A política do êxtase, portanto, se dá na constante alternância entre estabilidade e expansão, por isso que podemos chamá-la de uma política orgânica, já que se enquadra num processo de constante mudança onde a nomenclatura evolução é mais adequada do que revolução

A revolução é a substituição de um conjunto de idéias por outro, e evolução é esse processo constante, vai além de um fim exclusivo.

Timothy Leary Politics of Ecstasy

Quanto maior a liberdade, maior a evolução social. Em uma sociedade repressiva, as forças que propulsionam são as mais coibidas. O autor de Politics of Ecstasy nos fala, se quisermos saber qual a direção tomar e onde estão os agentes evolucionários, que procuremos nas cadeias e nos grupos mais oprimidos.

Com isso, é possível estabelecer um parâmetro para saber se tal sociedade é mais ou menos evoluída através do quanto de liberdade interna ela permite. Em outras palavras, através da quantidade de forças expansivas que o todo consegue coordenar.

Para Leary, o estado de êxtase (bem estar absoluto) é o natural do ser humano e foi marginalizado pela lógica da culpa e pelo dogma monoteísta. A culpa é uma força limitadora do desejo, da auto-realização, que o êxtase preconiza.

Porém, tal utopia de liberdade absoluta é, de fato, uma ideia assustadora. O lado perverso que podemos encontrar no ideal de completa liberdade é que forças como o egoísmo e a manipulação de mentes mais determinadas sobre mentes mais amorfas também são limites impostos por alguns à liberdade de outros tantos.

 O estado de êxtase também é um estado religioso, de descoberta espiritual, que foge ao monoteísmo como regra por não se prender a dogmas. Esse estado de êxtase, defendido por Timothy Leary, é uma experiência pessoal e, assim, não depende de intermediários, é uma experiência direta. A política do êxtase centra-se também nesse aspecto e apóia a experiência religiosa como uma revelação direta e pessoal ao alcance de todos.

O alcance desse estado pode se dar por práticas religiosas e também pela experiência psicodélica que, segundo ele, pode chegar a níveis profundos e levar à vivência de sensações atômicas, de sensações essenciais e limítrofes, experiência similar ao que é descrito pela ciência pós-Einstein

Leary então dividiu e categorizou em sete níveis essa experiência (que depois elevou para oito), para assim melhor explicar a diversidade desses estados mentais que vão do mais elementar possível ao mais abrangente possível.

Ele também chamou tais níveis de questões básicas espirituais, cujas respostas, se encontradas simultaneamente, produziriam a experiência religiosa e o êxtase. A ciência também é capaz de produzir respostas para essas questões. Propôs, no fim das contas, a ligação entre a ciência e a experiência religiosa. 


Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Web Analytics