20 de jul de 2012

Light Show: experiência imersiva lisérgica

1º Parte: A desconstrução da consciência através do bombardeamento sinestésico

Mark Boyle's Sensual Laboratory - 1967
Uma das mais populares expressões da vanguarda artística psicodélica, que marcou os âmbitos underground da arte nos anos 60 foram os light shows (show de luzes).

Os light shows consistiam em projeções coloridas dos mais variados tipos, aliadas a musica e a performance, tanto de artistas e músicos quanto do próprio público.


Mark Boyle's Sensual Laboratory - 1967
As projeções eram feitas com gelatina e outros líquidos coloridos, que eram prensados por duas lentes de vidro, colocadas sobre os projetores.

Com o calor da luz as gelatinas derretiam e se misturavam formando manchas coloridas em movimento



A habilidade do artista que montava estas projeções garantia enorme variedade de efeitos caleidoscópicos. 

USCO: Us down by the Riverside

Claro que em tudo o acaso e o caos eram elementos seriamente levados em consideração. Outros tipos de light shows eram conseguidos através das luzes estroboscópicas

Mark Boyle e Joan Hills numa de suas projeções fluídas - 1966

Muitas das máquinas usadas para projeção eram especialmente desenvolvidas pelos engenheiros-artistas que sempre compunham os coletivos de Light Shows.


Mark Boyle: Earth, Air, Fire & Water - 1966

Dentre os mais famosos estavam o grupo USCO, de Nova Iorque, e o grupo Mark Boyle's Sensual Laboratory, do artista inglês Mark Boyle e sua esposa Joan Hills.


Mark Boyle: Earth, Air, Fire & Water - 1966

USCO era uma abreviação para Us Company (Nós Companhia, ou Companhia de Nós), um coletivo que reunia pintores, poetas, videomakers, engenheiros, performers e vários tipos de artistas.


USCO: Shiva, da instalação Tabernáculo - 1966

Este coletivo foi um dos mais experimentais, levando a experiencia do Light Show para além do encantamento lúdico/hipnótico que promovia aos shows de rock psicodélico.


Instalação Tabernáculo - 1966

O intuito de suas instalações era o de sobrecarregar de estímulos a consciência, ainda mais do que já era sobrecarregada pelo ambiente midiático cotidiano, para então fazê-la ceder e trazer a tona o inconsciente.


No, Ow, Now - Um dos mantras do USCO


Fontes
Boyle's Family - Site Oficial do artista Mark Boyle
PooterLand - Boyle's family

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Web Analytics